A lei seca e a tolerância "menos um"

No último dia 9 de novembro, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o texto do projeto de lei que enuncia que dirigir sob efeito de qualquer concentração de bebida é crime. Como já tínhamos uma política de tolerância zero na legislação de trânsito, esta nova modificação inaugura a “tolerância -1” no que diz respeito a direção de veículos e bebida.

É típico de regimes totalitários criminalizar condutas que não tenham em si um componente de dano a direitos alheios. No caso da nossa legislação penal de trânsito, é criminoso qualquer pessoa que permaneça atrás do volante de um carro e que tenha bebido antes disso. É certo que a diminuição das vítimas de acidentes de trânsito é um objetivo dos mais elevados, só não consigo entender como a criminalização justamente daqueles que não provocam acidentes pode ajudar nisso.

Veja só, não é somente dirigir sob o efeito da bebida que é crime, mas fazê-lo com uma concentração qualquer de álcool no sangue, mesmo que você esteja ainda de posse de suas faculdades. Isso deve ser suficiente para colocar atrás das grades, salvo o pagamento de fiança, parte significativa da população brasileira.

Se a legislação anterior já previa punição para as condutas indesejadas no trânsito: provocar acidentes, lesões corporais, matar ou causar perigo, não existe outra conclusão lógica que não a de ter vindo a modificação para criminalizar a parcela das pessoas que conseguem beber e não causar acidentes ou por outras pessoas ou bens em risco. O que dizer então desta nova criminalização?

A idéia de que o direito penal seria a última ratio do sistema jurídico aos poucos dá lugar a um conjunto de regras que põe todos os indivíduos na ilegalidade e, por conseqüência, fortalece o poder do estado sobre homens, permitindo assim que sejam punidos sem ser necessário se perguntar quem foi ofendido.

O curioso, e revelador da teratologia de toda a discussão da lei seca, é que nos debates ocorridos na comissão, a senadora Marta Suplicy (PT-SP), cuja tolerância é conhecida de todos, ficou preocupada porque seria plausível que o projeto viesse para punir o motorista que consumisse um bombom com licor. A senadora foi tranqüilizada pelo relator, que disse que o exame não detectaria (?) nenhum álcool no sangue por causa de um bombom.

Senadora, se tiver dúvida, não coma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s