Do prefácio de "Anarquia, Estado e Utopia", de Robert Nozick

Do prefácio de “Anarquia, Estado e Utopia” de Rober Nozick:

“Os indivíduos têm direitos, e há coisas que nenhuma pessoa ou grupo pode fazer contra eles (sem violar seus direitos). Esses direitos são tão fortes e têm tamanho alcance que levantaram a questão de saber o que o Estado e seus servidores podem fazer –  se é que podem fazer alguma coisa. Que espaço os direitos individuais deixaram para o Estado? A natureza do Estado, suas funções legítimas e suas justificações – caso existam – constituem o tema central deste livro; uma ampla e diversificada variedade de temas permeia o desenrolar da nossa pesquisa.

Nossas principais conclusões sobre o Estado são que um Estado mínimo, que se restrinja às estritas funções de proteção contra a violência, o roubo, a fraude, a coerção de contratos e assim por diante, é justificado; que qualquer Estado mais abrangente violará os direitos de as pessoas não serem obrigadas a fazer determinadas coisas, o que não se justifica; e que o Estado mínimo é ao mesmo tempo inspirador e justo. Duas implicações dignas de nota são que o Estado não pode usar seu aparelho para obrigar alguns cidadãos a ajudar outros ou para proibir prática de atividades que as pessoas desejarem realizar para seu próprio bem ou proteção”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s