Hayek e as duas formas de Racionalismo (8): a linguagem antropomórfica do Racionalismo construtivista e a revolta contra razão.

Afirmações no sentido de que a sociedade "age, "recompensa", "é responsavel por algo", "é justa" ou que a "economia" é responsável por "distribuir recurso"” são para Hayek um sintoma de "antropomorfismo". Ele distingue a atitude primitiva de personificar entidades atribuindo-as uma mente e capacidade de agir (antropomorfismo ou animismo); da ligeiramente mais sofisticada atitude de …

Hayek e as duas formas de Racionalismo (7): o papel das normas na evolução concorrente da mente e da sociedade.

Os erros do racionalismo construtivista estão intimamente conectados com o "dualismo cartesiano", concepção de que a mente possui uma existência independente da natureza e da matéria. Na verdade  a mente é uma adaptação ao meio natural e social no qual o homem vive, e  se desenvolveu em constante interação com as instituições que determinam a …

Hayek e as duas formas de Racionalismo (6): o real significado de “evolução”.

Na visão de Hayek, a confiança ilimitada nos poderes da ciência foi a principal razão pela qual o homem moderno tornou-se tão resistente a admitir que limitações ao conhecimento formam uma barreira permanente à possibilidade de construção racional, de planificação de toda a sociedade. Contrariamente à crença generalizada, a ciência não consiste no conhecimento de …